Grupo Moura sofre ataque hacker de grupo que paralisou oleoduto nos EUA

Grupo Moura sofre ataque hacker de grupo que paralisou oleoduto nos EUA

Grupo Moura, que fabrica as baterias Moura, sofreu um ataque hacker do grupo DarkSide, o mesmo que sequestrou e paralisou o maior oleoduto americano na semana passada. O grupo de cibercriminosos fornece um serviço de ransomware, um software malicioso que sequestra os computadores e só os libera sob a condição do pagamento de um resgate. Qualquer hacker pode usar a plataforma e o preço do resgate depois é dividido entre todos. O ataque foi confirmado ao Radar Econômico por um funcionário do Grupo Moura, mas que informou que a produção da empresa não foi afetada. O ataque aconteceu há 3 dias.

Nos Estados Unidos, a empresa Colonial Pipeline, dona do oleoduto que foi paralisado, decidiu pagar o resgate de cerca de 5 milhões de dólares. Os ataques do DarkSide estão sendo divulgados pelo próprio grupo na darkweb. Outro ataque divulgado pelo grupo na manhã desta sexta-feira, 14, foi o da empresa francesa de tecnologia Toshiba. Os ataques usando ransomware estão ficando cada vez mais frequentes e diversas companhias estão sendo atacadas. Eletrobras, Copel, Ultrapar são algumas das empresas que foram atacadas neste ano. Mas nenhum ataque foi tão impactante quanto o da Colonial Pipeline que chegou a afetar a oferta de gasolina nos EUA.

*Segue posicionamento da empresa:

O Grupo Moura confirma que foi vítima de uma ofensiva aos seus servidores internos, o que resultou na divulgação de dados supostamente atribuídos à empresa. Estamos tomando as medidas necessárias para fortalecer todos os protocolos de segurança da informação. Os dados divulgados estão sendo analisados para seguirmos com as medidas cabíveis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.